Laguna Torre

El Chaltén é uma pequena cidade na Patagônia considerada a capital nacional do trekking na Argentina. Fica dentro do Parque Nacional Los Glaciares, e a partir dela, é possível percorrer diversas trilhas aos pés de suas principais montanhas – o Cerro Fitz Roy, ou El Chaltén, que deu o nome à cidade, e o Cerro Torre, que já foi considerado por muitos escaladores como a montanha mais difícil do mundo e, por um certo tempo, até mesmo impossível de ser escalada – uma inacreditável torre de granito com cerca de 1200 metros praticamente verticais da base até o cume.

1

Trilha congelada no início da manhã

Em nosso segundo dia na cidade, Pri e eu saímos cedo para a trilha de 11 km até a Laguna Torre, relativamente próxima à base da montanha. São 4 horas de caminhada para se chegar até ela e mais 4 para retornar, além do tempo que você permanece no local e as paradas para comer e sacar fotos. Desde El Chaltén, existem duas trilhas que se unificam em um único sendero logo depois de 5 minutos de caminhada e que segue pelo vale do rio Fitz Roy. A noite tinha sido de muito frio e atravessamos uma área com imensas poças d’água congeladas. Na metade do trajeto, se chega à um mirador com uma impressionante vista panorâmica de toda a cadeia de montanhas que inclui a Torre Egger ¹ e o Fitz Roy, à direita do Cerro Torre

2

Mirador Cerro Torre

Mais duas horas de caminhada e chegamos ao acampamento De Agostini, já bem próximos à Laguna, onde fizemos uma pausa para lanchar. Mais alguns metros de subida e finalmente avistamos a Laguna Torre. Diversos blocos de gelo flutuavam na superfície da laguna depois de se desprenderem do Glaciar Grande, localizado ao fundo.

4

Pausa para o lanche no acampamento De Agostini

Encostei em uma pedra para descansar e observar aquele lugar quase surreal. Logo me peguei tentando respirar o mais profundo que podia, enchendo os pulmões com o ar gelado, como se isso pudesse me ajudar a gravar aquelas imagens na memória de forma a nunca mais me esquecer.

6

Priscilla e Fernando sem fôlego

Ficamos ali juntos por um bom tempo e em seguida partimos para a subida até o Mirador Maestri ². Mais uma hora de caminhada até chegarmos em uma parte alta na lateral direita da laguna. Não é uma distância grande mas o caminho é cheio de pedras soltas e precisa ser percorrido com bastante cuidado.

img_9519

Mirador Maestri

No caminho de volta, me fiz uma pequena promessa de algum dia retornarmos para passar a noite no acampamento e conseguir ver as torres iluminadas pelo nascer do sol. Um reencontro com o lugar mais bonito do meu mundo até aqui. E que assim seja.

¹ Toni Egger e ² Cesare Maestri supostamente foram os dois primeiros escaladores a atingirem o cume do Cerro Torre em 1959. Egger morreu em uma avalanche quando retornavam da montanha e segundo Maestri, levou consigo as fotos que comprovariam a subida até o topo. Com sua façanha questionada, Maestri retornou em 1970 com uma furadeira acionada por um enorme compressor de ar que utilizou para perfurar a rocha e fixar as proteções, mas essa já é uma outra história..

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.